Kassab aguarda decisão de Meirelles sobre candidatura

São Paulo, 18 - O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou há pouco que seu partido, o PSD, aguarda para o momento certo a decisão do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também da mesma sigla, sobre sua candidatura à Presidência da República nas eleições do ano que vem. "O Henrique Meirelles tem dito que não é candidato, mas é um presidenciável, uma pessoa muito bem preparada, ficaremos muito contentes se ele for o candidato", afirmou ao sair de um encontro com o presidente Michel Temer em sua residência em São Paulo no qual acompanhava o ex-senador Jorge Bornhausen (PSD-SC).Segundo ele, o ministro da Fazenda tem dito que irá refletir muito e, no momento certo, vai anunciar sua decisão. Indagado sobre se o encontro com Temer agora pela manhã versou a respeito das eleições de 2018, Kassab sorriu e respondeu: "Quando três políticos se encontram fala-se sobre tudo.

Temer deixa residência em São Paulo

São Paulo, 18 - O presidente Michel Temer deixou na manhã deste sábado (18) sua residência em São Paulo com previsão de destino a Brasília. Ele veio na sexta (17) à capital paulista para fazer exames no hospital Sírio Libanês.Pela manhã, Temer recebeu a visita do ex-senador Jorge Bornhausen (PSD-SC) juntamente com o ministro de Ciências e Tecnologia, Gilberto Kassab. O encontro durou cerca de uma hora.

Huck está vivendo a pressão de ser candidato, diz Freire

O presidente do PPS falou sobre a pressão da Rede Globo. Em comunicado interno divulgado na semana passada, o canal pediu aos funcionários que comunicassem com antecedência o canal sobre a intenção de participar do processo eleitoral

Ronan Maria Pinto é preso por desvios em Santo André

São Paulo, 18 - A Polícia de São Paulo prendeu na sexta-feira (17) o empresário Ronan Maria Pinto, condenado a 14 anos de prisão por envolvimento em esquema de corrupção instalado no setor de transportes públicos de Santo André, durante a gestão do ex-prefeito Celso Daniel (PT), executado a tiros em janeiro de 2002.A polícia deu voz de prisão a Ronan no Hospital Albert Einstein, onde ele está internado para fazer uma cirurgia de hérnia. Seu advogado, Fernando José da Costa, informou que vai recorrer.A condenação de Ronan foi imposta na terça-feira passada, pelos desembargadores da 3ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Luiz Marinho é denunciado pela segunda vez

São Paulo, 18 - O Ministério Público Federal em São Bernardo do Campo ofereceu nova denúncia contra o presidente do PT de São Paulo, Luiz Marinho, e outras 15 pessoas que integraram a gestão do petista na prefeitura do município do ABC paulista (2009-2016), por supostos desvios no Museu do Trabalhador, investigados pela Operação Hefesta. Marinho é pré-candidato do PT ao governo de São Paulo.Os denunciados são acusados de formar um conluio para fraudar concorrência promovida pelo município, entre 2011 e 2012, para definir a empresa que construiria o museu. Eles também são acusados pelos crimes de fraude à licitação, agravado pelo fato de todos estarem em exercício de função pública, e falsificação de documentos.

O mecanismo da corrupção moldou a política, diz cineasta José Padilha

São Paulo, 18 - Em Tropa de Elite 2, os políticos foram apresentados como os grandes inimigos da população, os verdadeiros responsáveis pela corrupção e violência do País. Os últimos acontecimentos no Rio, como a decisão da Assembleia de soltar o presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB), e outros dois deputados acusados de corrupção, parecem confirmar a visão quase apocalíptica do diretor José Padilha. Nessa entrevista, concedida por e-mail, ele avisa que não existe nenhum capitão Nascimento (chefe do Bope interpretado por Wagner Moura em Tropa de Elite 1 e 2) para resolver as mazelas cariocas. Confira os principais trechos da entrevista:Com o que tem acontecido no Rio de Janeiro, a pergunta é: você tem uma bola de cristal?É claro que o principal problema do País é o “mecanismo”, a máquina de corrupção que dominou e moldou nossa política (e o Estado) em todos os níveis da Federação, no Legislativo e no Executivo.

Ministro do Esporte ‘some’ após Operação

Brasília, 18 - O ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), deixou nesta semana a agenda de gabinete, em Brasília, para prestar apoio à família depois que o pai, Jorge, e o irmão, Felipe, foram presos - decisão posteriormente revogada pela Assembleia Legislativa. O ministro passou a semana no Rio, acompanhando de perto a repercussão da Operação Cadeia Velha, que atingiu seu clã e a cúpula do PMDB fluminense.Picciani nem sequer voltou a Brasília nesta semana. A última aparição foi ao lado do presidente Michel Temer, na segunda-feira passada, no lançamento de um programa emergencial de ações sociais voltadas para comunidades carentes por ocasião da intervenção das forças de segurança na cidade.

Assessor de irmão de Geddel tenta delação sobre bunker de R$ 51 milhões

A reportagem apurou que Job Ribeiro Brandão, no depoimento, explicou qual era sua participação nos desvios que seriam praticados por Lúcio Vieira Lima e seu irmão, o ex-ministro Geddel Vieira Lima

Em discurso na Alerj, deputado confunde Brecht com personagem de TV

São Paulo, 17 - Um deputado estadual do Rio de Janeiro chamou a atenção durante a votação pela libertação ou permanência na prisão do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), e mais dois colegas de partido após confundir Bertold Brecht com o Bertoldo Brecha.O deputado André Lazaroni (PMDB) deu seu voto e resolveu finalizar o discurso com uma citação de Bertold Brecht, dramaturgo alemão. No entanto, ao dar o crédito para a frase, disse que era de Bertoldo Brecha, personagem da "Escolinha do Professor Raimundo", da TV Globo.Do lado de fora da Assembleia Legislativa, manifestantes protestavam para que Picciani continuasse preso.

Dallagnol: O que aconteceu no Rio é uma amostra do que pode acontecer em Brasília

São Paulo, 17 - O procurador da República Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Operação Lava Jato, disse nesta sexta-feira, 17, que a decisão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) de derrubar as prisões dos deputados peemedebistas Jorge Picciani, presidente da Casa, Paulo Melo e Edson Albertassi é "uma amostra do que pode acontecer em Brasília e com a Lava Jato"."O que aconteceu no Rio de Janeiro hoje é uma amostra do que pode acontecer em Brasília e com a Lava Jato se em 2018 não virarmos o jogo contra a corrupção", escreveu o procurador em suas redes sociais.Por 39 votos a 19, a Alerj decidiu revogar a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), que encarcerou os parlamentares nesta quinta-feira, 16. Os deputados, que saíram da prisão em um carro oficial, passaram menos de 24 horas na cadeia.